UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Senior Product Designer
,
IBM
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Como processos de design ajudam a traduzir a linguagem das máquinas em experiências e negócios centrados nas pessoas

Nunca antes na história da humanidade foram gerados tantos dados como agora. E essa quantidade de dados tende a aumentar exponencialmente, uma vez que a todo momento surgem inovações tecnológicas que transformam o comportamento e as necessidades humanas.

Neste artigo, nos aprofundamos sobre esse cenário atual pautado por tecnologias emergentes, onde decisões estratégicas são tomadas com base em dados, e também sobre habilidades e características importantes para nos ajudar a não ficarmos boiando nesse mar de bits e algoritmos.

First “things” first

Partindo do seu smartphone, imagine a quantidade de dados que você pode gerar em um só dia de uso. Mensagens enviadas, músicas ouvidas, vídeos assistidos, distâncias percorridas, energia consumida e por aí vai. Agora saiba que, segundo o relatório anual da Adjust, o número de celulares conectados é maior que a população mundial, que em 2019 chegou a 7,7 bilhões de pessoas. E que, além de smartphones, existe também uma infinidade de dispositivos conectados à internet que comunicam entre si, como pulseiras fit, tablets e até roupas, gerando inúmeros dados a cada fração de segundo. A esse fenômeno dá-se o nome de Internet of Things (IoT)*, ou internet das coisas.

*Internet of Things (IoT) foi um termo cunhado pelo autor e pesquisador Kevin Ashton no MIT, em 1999, e é definido como uma rede de dispositivos físicos, ou “coisas”, embarcados com programas de computador (software), sensores, e conectividade que lhes permitem coletar e trocar dados.

Outro fenômeno associado à IoT é o Big Data, pois nesse contexto estamos falando de volumes extremos de dados, que exigem técnicas computacionais específicas de processamento.

A comunicação entre esses dispositivos se dá através de protocolos de mensagem que envolvem APIs, micro-serviços, algoritmos, regras de negócios e uma série de parâmetros técnicos que não nos cabe aprofundar nesse texto. O ponto que quero chegar aqui é que estamos falando de um modelo de interação intrinsecamente híbrido entre hardware e software, onde máquinas interagem com máquinas, com sistemas, e que, por sua vez, fazem interface com pessoas, seja um consumidor final, ao resolver algum problema ou executar alguma tarefa, ou sejam os profissionais que manipulam esses artefatos para criar soluções. E que quando falamos de IoT estamos falando sobre dados.

IoT como oportunidade de negócios

Segundo um estudo da Cisco, gigante da tecnologia e das telecomunicações, até 2020 o mercado de IoT terá movimentado em torno de US$19 trilhões, e cerca de 50 bilhões de dispositivos já estarão conectados à internet, trafegando quantidades astronômicas de dados.

Alguns fatores contribuem para que esses números sejam tão expressivos: como o aumento do poder de processamento computacional, sobretudo na nuvem; o aumento da banda larga e o acesso a internet móvel rápida e de qualidade; o aprimoramento, barateamento de custo e popularização de tecnologias como a inteligência artificial e machine learning, blockchain, realidade aumentada, entre outros.

Só pra citar, estas são algumas áreas que estão se beneficiando disso tudo: entretenimento, serviços financeiros, manufatura e produção industrial, automação, healthcare, seguros, serviços públicos, produção de energia, etc.

Um mundo movido a dados

Há quem diga que os dados são o novo petróleo, pois o dado bruto e cru por si só não diz nada, não é acionável. Mas muito mais do que só gerar dados, as organizações estão conseguindo extrair deles informações com alto valor agregado, o que lhes permite gerar novos negócios. Com isso surge uma demanda enorme por profissionais capazes trabalhar esses dados, os cientistas de dados.

Em se tratando de estratégias de design esse é um prato cheio, pois quanto mais insights tivermos, melhor conhecermos o perfil, as necessidades e as motivações dos nossos usuários melhor. O desafio se mostra em saber como extrair o real valor dos dados através das ferramentas, processos e habilidades adequadas e como internalizar essas práticas no nosso fluxo de trabalho. 

Um exemplo é a recente aquisição da empresa fitbit pelo Google, responsável pelas pulseiras inteligentes, em um valor estimado de US$ 2,1 bilhões. Obviamente os interesses vão além da penetração no mercado de wearables (dispositivos vestíveis), mas também pelos dados existentes no seu ecossistema, pela inteligência e pelo know how já consolidados.

Desafios e oportunidades na área de UX 

Agora você deve estar se perguntando por que eu abri esse artigo com todas essas informações sobre tecnologia e negócios, não é? O que tudo isso tem a ver com UX? Bom, primeiro porque é importante, enquanto designer, estabelecer essa visão sistêmica e interdisciplinar, mas também para evidenciar o fato de que…

…a IoT está presente em todos os lugares e é impossível dissociá-la de temas como tecnologia, criatividade, negócios e produtos e serviços digitais que as pessoas consomem todos os dias. 

Esses temas já fazem parte do vocabulário de UX designers e profissionais da área de inovação, então é mais uma questão de saber onde se está pisando mesmo. Contudo, essa mentalidade nos leva a uma nova abordagem para propor soluções centradas nas pessoas e atacar problemas: uma perspectiva baseada em dados, o data driven design.

Pum exemplo prático onde IoT, big data, inovação e criatividade

se convergem eu cito o seriado Stranger Things — que por sinal é meu seriado favorito dos últimos tempos. Através de dados históricos de consumo de conteúdo na plataforma, identificou-se que as pessoas estavam assistindo muitos filmes e séries com referências aos anos 80, e que a partir de um aprofundamento nesses estudos havia uma probabilidade alta de que uma nova série naquela temática pudesse ser bem sucedida. Deu no que deu.

O que cientistas de dados e UX designers tem em comum é a paixão por encontrar padrões na complexidade. Além disso, algumas habilidades são essenciais para trabalhar nessa área como: curiosidade, senso crítico e boa comunicação. Curiosidade para investigar, testar e experimentar caminhos que podem apontar para uma direção mais assertiva. Senso crítico para racionalizar todos os fatores internos e externos que podem influenciar a efetividade da solução ao problema. Comunicação e poder de síntese para expressar adequadamente os insights encontrados para os stakeholders.

Conclusão

IoT já faz parte da realidade da maioria das pessoas. Não é só sobre wearables como fitbit, sistemas de pagamento móveis como Google Pay, ou sobre TVs, lâmpadas e cafeteiras smart. É também sobre eficiência em linhas de produção de fábricas conectadas, carros autônomos, gerenciamento de ativos complexos, otimização de imóveis, sistemas de energia e smart cities, entre várias outras áreas da Indústria 4.0. É sobre definir uma estratégia de dados para criar sistemas mais eficientes, precisos, rápidos, seguros e confiáveis para as pessoas.

O design é universal. As mesmas práticas e processos utilizados na criação de uma página web se adéquam ao cenário da internet das coisas, ou de qualquer outro suporte tecnológico. É sobre entender as reais necessidades das pessoas ao observar, refletir, entender, criar e testar. É sobre ter uma visão holística, colaborar e dialogar com outras áreas. É sobre usar a tecnologia a favor da experiência do usuário e jamais focar nela por si só.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Thiago Barcelos
Senior Product Designer
,
IBM

Formado em design gráfico pela UEMG e pós-graduado em Inovação, Design e Estratégia pela ESPM, atualmente trabalha como Senior Product Designer na vertical de Watson IoT da IBM, desenvolvendo soluções B2B para a indústria 4.0, baseadas em tecnologias como internet das coisas e inteligência artificial. Com mais de 10 anos de experiência, define-se como um “problem solver” e co-facilitador de projetos em times multidisciplinares, cujas habilidades consistem em conceber soluções estratégicas de design centrado no ser humano, através de interfaces gráficas, conversacionais, serviços e o que mais vier pela frente.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify