Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
CEO
,
DUXcoworkers
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Para entender a Inteligência Artificial (AI) e como otimizar a jornada do usuário a partir das conversas, é preciso deixar os sistemas de lado por um momento e se concentrar na fonte geradora dos diálogos: as pessoas. Vivemos na DUXcoworkers este aprendizado, que pode ser útil para melhorar a experiência em AI desde a contratação de times à definição de entregáveis, considerando o tipo de interação que desejamos estabelecer.

O ponto de partida para compreendermos melhor a AI se caracteriza pelas formas de diálogos e mecanismos de interação que desenhamos para experiência. Para tanto, convido a todos para desconstruir o que entendem por sistemas de interação no que tange, por exemplo, à tela do celular e ao desktop. E que pensem nas pessoas como um sistema a ser interpretado.

PESSOAS E TECNOLOGIA: TODO SER HUMANO É UM SISTEMA

Para melhorar experiência em uma conversa, precisamos inicialmente entendê-la a partir da relação cognitiva da construção de um diálogo, visto da relação cognitiva de experiências de cada pessoa. Ao contrário do texto ou da imagem, que podem facilmente direcionar interpretações, a narrativa ouvida na conversa abre um espaço a ser preenchido pela mente a partir das nossas vivências pessoais - do cérebro e suas cognições. A interpretação estará assim no sistema de cada indivíduo, dificultando o estabelecimento da linearidade interpretativa e previsão da experiência da pessoa, gerando um desafio à interpretação da jornada - e não da análise contínua dos dados.

Tomo a Teoria das Redes de Paul Baran, que explica amplamente a maneira como os sistemas se relacionam, como exemplo. Nesse contexto, ao considerar o cérebro como motivador de atitudes humanas, podemos dizer que as pessoas são sistemas isolados que na convivência em grupo formam outros sistemas conectados pela sociedade de suas decisões, ainda que distribuídos na individualidade cerebral e particularidades de suas cognições. Esta analogia também pode ser utilizada no entendimento das relações pessoais - networking.

 

SISTEMAS CENTRALIZADOS

Do ponto de vista da interação com usuários, partirmos de um ponto de interação e a distribuímos de maneira linear. Não há hiperlinks ou correlações entre as páginas do sistema, como acontece em uma home, que pode ser o ponto principal do diálogo e da conversão ao distribuir a jornada interativa e a navegação por categorias e subcategorias. Os sites “one page only” são exemplos clássicos deste sistema que passa uma mensagem simples ao usuário, a informação não complexa. É como interagir com um folheto: não há espaço para o diálogo.

Da ótica estratégica, são ambientes onde os designers conseguem levar o usuário à interação esperada, o planejamento prevê uma jornada linear e desenha um sitemap para gestores enxergarem onde está o controle e os sucessos da experiência entre sistema e usuário. Nesse caso, a pesquisa será pouco utilizada.

Do prisma dos comandos de interpretação, temos sua maioria sendo representada por textos, com sinapses de interpretação da mensagem totalmente lineares.

 

SISTEMAS DESCENTRALIZADOS

Do ponto de vista da interação com usuários, partirmos de um ponto que distribui o conteúdo entre eixos correlacionados e sempre identificáveis ao primeiro eixo. São exemplos os sites e portais de conteúdo onde hiperlinks abrem diálogos de interação e correlações entre as páginas do sistema. Aqui, sistemas digitais e pessoas têm o conforto da interação nas portas de diálogos que o usuário escolheu abrir. Ao fim de sua jornada, ele estará feliz por ter interagido seguindo sua vontade.

Sob o viés estratégico, jornadas que interpretam as portas de diálogos que estrategicamente desejamos abrir com os usuários são perfeitamente possíveis de serem desenhadas e previstas com base na investigação. Para apoiar as decisões, pesquisas qualitativas e métodos de co-criação são as principais ferramentas e entregáveis para prever as jornadas estratégicas e testar sua usabilidade com o usuário, partindo da sua expectativa para a tomada de decisões. O desenho de personas e jornadas nos permite prever diálogos do ponto de vista estratégico, criando fluxogramas e caminhos que estimulem a interação do usuário. Apesar de abrir diálogos, o sistema segue uma narrativa controlada a partir de decisões induzidas.

Tratando-se dos comandos de interpretação são na sua maioria representados por textos, imagens, vídeos, hiperlinks em que abrimos diálogos de semântica mais complexa. As sinapses de interpretação da mensagem podem ter mais fluidez, permitindo novos aprendizados e outras interpretações a partir da narrativa escolhida.

 

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

A representação esquemática que melhor mostra sistemas distribuídos é a conexão entre sinapses do cérebro.

Tratando da interação com usuários, é o que os chats interativos com voz tentam realizar. O desafio dos designers neste cenário não está na interface de interação ou no desenho das jornadas preditivas. A questão é entender a linguagem e o comportamento das pessoas na estrutura de dados e rotina de uso. Há um gargalo a ser compreendido pelos designers: o comportamento preditivo conforme as sequências de ações geradas em torno de uma determinada intenção.

Pensando nos comandos de interpretação, vamos imaginar que neste caso, não temos botões e apenas um comando representa o diálogo a ser estabelecido. Basta clicar e falar. Afinal, para se conversar não precisamos de botões, certo? Pensem a presença de botões para escolha de jornadas, abrimos e convocamos outras inteligências para a camada de interação que queremos desenvolver. Cientistas de Dados, Pesquisadores, Redatores, Especialistas em Storytelling, Neurocientistas são fundamentais para estabelecer a rotina de interação desejada. Novamente, o maior desafio não é do designer, mas da análise inteligente dos dados. E todo usuário é uma persona que representa um sistema complexo. Qualquer informação é relevante para o aprendizado da inteligência desta máquina.

Do ponto de vista estratégico, tomo o exemplo da Siri (um botão + fale o que quiser). Como ocorre em qualquer conversa, podemos nos lembrar de algo no meio da interação que nos leva a um ponto que o sistema não interpretou. O desafio está em permitir esse nível de interação sem passar ao usuário a impressão de erro. Para cobrir esse gargalo, as empresas estão desenvolvendo uma espécie de URA com AI. Para impulsionar a inteligência da máquina, a rotina da pesquisa com métodos de análise contínua dos dados de todos os usuários, além da criação de diálogos hipotéticos que podem ser previstos pelas pesquisas qualitativas, compõem mecanismos de evolução e aproximação das inteligências humanas para os pré-settings da AI. Neste cenário há a necessidade de revisão das equipes e rotinas de trabalho do time de desenvolvimento com foco na inclusão dessa diversidade, permitindo o amadurecimento da AI.

E como não desmotivar os usuários diante a espera do famoso mundo IoT? A honestidade no design e na comunicação, e transparência na busca por suia implementação podem ser o caminho para trazermos as pessoas para participarem da evolução desse futuro tão desejado. Ou, em um desafio ainda maior, revisitarmos a concepção de interação para não relacionar a ideia inicial com uma experiência desagradável, desmotivando seu uso.

O mundo tem a urgente necessidade de ser colaborativo. Para se tornar realidade, a AI precisa dessa colaboração e os times técnicos devem criar juntos novas rotinas de trabalho, aprendendo a conviver com as diferenças e trazendo profissionais de Humanas para integrarem as equipes de TI. Porque, na verdade, a inteligência está no apoio ao aprendizado e colaboração em todos os sistemas, sejam humanos ou tecnológicos.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Melina Alves
CEO
,
DUXcoworkers

"UX Líder, Fundadora, CEO da DUXcoworkers. Há 14 anos trabalha com design de experiência e interação, gerenciando inteligências multidisciplinares para projetos de inovação com marcas nacionais e internacionais. É professora em MBA especializados de UX em conceituadas faculdades e cursos. Pode desenhar cultura de inovação centrada no usuário para agências, startups e departamentos de grandes empresas como W/Mccann e Bradesco. Passou pelas agências NeogamaBBH, AlmapBBDO, Razorfish, e ajudou a criar o 1o app do Brasil para Bradesco. Eleita em 2013 uma das 10000 mulheres empreendedoras pelo programa global da FGV e Goldman Sachs."

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify