Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Sócio / Curador de Portfolios
,
NiD-HUMAN
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Introdução

Quando éramos crianças, além de ter que ir à escola todos os dias, tínhamos também que fazer lição de casa. Para uma criança isso é o fim do mundo? Passávamos tempo demais em classe, então pra quê mais coisa da escola quando não estamos lá? Enfim, apesar de nossas frustrações e discordâncias juvenis a esse métodos, ou fazíamos, ou teríamos algum prejuízo à nossa espera. 

O principal fator a se levar em conta é entendermos o conceito de lição de casa: Algo que temos que fazer fora do ambiente prático, que sirva de documentação daquilo que aprendemos ou fizemos. Mais importante que isso, a lição de casa servia para nossos pais terem uma noção do que estávamos aprendendo, e se estávamos realmente aprendendo alguma coisa. 

Agora, levante a mão quem está com o portfolio atualizado. Pois bem. O portfolio é a sua lição de casa na vida profissional de designer. 

Usando as mesmas figuras, imagine o seguinte: 

A “escola” é o seu trabalho

É o que você levanta cedo pra fazer toda segunda-feira, e idealmente, com empolgação para aprender algo novo através das experiências trazidas por fazer na prática. 

O “dia” é o projeto em que você está trabalhando

Lá você interage, conversa, pesquisa, cria, testa, implementa. Está em ação, com a mão na massa, vendo tudo acontecer, apreciando cada avanço, meta cumprida. E as pessoas em seu time contribuindo com seu trabalho. 

Os “pais” são as empresas que precisam te ver

Agora, você tem que fazer algo para que as pessoas que não estão lá com você possam ter acesso, e não só isso, mas apreciarem, verem o que você anda fazendo e o que está aprendendo.

O que você faz não é seu, e nem pra você

Tenho certeza que você já escutou por aí que o que está dentro de você precisa se transformar em algo pra outras pessoas. Sim. É importante frisar que o UX/UI Designer é um facilitador, um agente anti-caos, um tradutor, e ao mesmo tempo, o cara que consegue pensar no lado humano. Ou seja, todo o seu trabalho não é para você. Foi feito para o projeto ao qual você atuou, para a empresa que acreditou em você, e finalmente, ao usuário que vai apreciar aquele produto sem ter nenhuma noção do trabalho, suor e lágrimas necessários pra fazer o complexo ficar simples. Quando entendemos essa realidade, o que nos resta? Contar essa história, nos colocando como narradores dela. 

Você precisa contar essas histórias

Conceitualmente, um portfolio nada mais é do que um apanhado de seus melhores trabalhos, para que alguém os veja e conclua que você está qualificado para fazer algo. Nesse momento, não há análise humana – apenas técnica. Bem, no universo de UX, não é (e não pode ser) bem assim. Como recrutadores, o que mais vemos são portfolios sem alma, sem histórias, sem contexto. Vemos (nem sempre) belas imagens do resultado final, o que nos deixa ainda mais perdidos: Você fez isso sozinho? Quanto tempo levou? O que exatamente você fez? Qual foi o contexto? Problema? Como resolveu o problema? E muito mais importante que isso: Qual foi o processo? 

Essas histórias não-contadas são o que todo recrutador busca. Não se trata do destino, mas da jornada. Se você não é capaz de contar essa história, temos aqui um problema muito grave: Todo UX/UI designer precisa ser capaz de contar uma história. Porquê? Porque você está lidando com pessoas. Está pesquisando, criando, testando, refazendo, testando de novo, pra elas. Se você não gosta de pessoas e não se importa com elas, nobre jovem, está na hora de repensar sua carreira. 

Você é o produto que o recrutador quer comprar. Como você imagina que deve ser experiência dele nesse processo? Em outras palavras, qual é a UX do seu portfolio de UX? 

Se não tinha pensado nisso, chegou a hora. Desperte seu lado storyteller, pegue um caderno, uma caneta e comece agora mesmo a contar suas histórias. 

Dicas para colocar em prática

É agora que entra a lição de casa. Como é que você vai contar a história de seu processo, se no decorrer dele não registrou nada? Não adianta chorar depois que tudo já aconteceu. Sem provas, as pessoas tem o direito de simplesmente não dar crédito ao que você está afirmando. 

Escrever é bom, mas não suficiente

Como estamos falando de contar histórias, sabemos muito bem que só escrever não adianta. Um recrutador tem no máximo 5 minutos para avaliar seu portfolio, e isso inclui tudo: chegar a você, consumir o conteúdo de um case específico, concluir algo e fazer alguma ação. Logo, precisamos de imagens, hierarquias de informação e uma didática simples e direta do tamanho desse conteúdo, pra não perdermos a atenção ao logo da jornada. 

Crie o hábito de documentar

Nem pense em usar imagens fake, nem de pegar imagens de pessoas ou projetos alheios. Você precisa dizer a verdade sempre, ou suas máscaras cairão mais cedo do que você imagina. Tirar fotos das sessões, gerar print screens, salvar versões anteriores de seus arquivos são um bom começo. 

Peça ajuda às pessoas à sua volta

É importante mencionar que esse projeto precisa ter você no centro. Então apareça nas fotos, seja claro no que exatamente foi feito por você, garanta que o que está sendo dito seja verdade. Seus colegas de trabalho são automaticamente suas testemunhas, pois estavam ao seu lado nesses momentos. Peça a elas que contribuam em seu storytelling, fornecendo conteúdo feito por eles (fotos, etc.) E obviamente, não esqueça de mencioná- los. 

Certifique-se de suas permissões Antes de tornar esse conteúdo público, tenha a certeza de que o que estará sendo exibido está de acordo com as normas de sigilo da empresa em que atua, bem como as do cliente final. Não queremos colocar nosso nome em risco, e nem dos players envolvidos. Isso pode ser altamente nocivo a todos. 

Conclusão

Você pode pensar: “Ah, mas estou bem onde estou trabalhando. Não preciso pensar nisso agora.” Ok, mas uma nova oportunidade não precisa ser o seu destino final. Seu portfolio é o que o coloca entre os melhores de seu setor. É o que inspira as pessoas menos experientes, para usarem como referência. É o trailer do filme sobre você que as pessoas podem ter acesso, não importando o que farão com essa informação. Além disso, uma das coisas mais importantes da carreira é podermos olhar para trás e realmente perceber nossa evolução. As memórias se vão com o tempo, mas algo que está documentado cultiva as lembranças. São a prova de onde você esteve, com quem trabalhou e mostram sua versatilidade de projetos.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Mao Barros
Sócio / Curador de Portfolios
,
NiD-HUMAN

Designer há mais de 20 anos, especializado em UI Design e Branding nas áreas empresarial, publicitário e editorial. Atualmente é associate e curador de portfólios na nid-human.com e deeploy.me.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify