O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
UX Strategist
,
Catarinas Design
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Não é difícil ouvir e perceber hoje uma certa maturação dos conceitos de UX dentro das empresas de diversos tamanhos e contextos. Mesmo que várias delas ainda estejam no modo “muito papo e pouca ação”, existe um desejo generalizado no mercado de oferecer “boas experiências” para clientes e usuários. O engraçado é ver o movimento acontecendo não só nos eventos, rodas e conversas da galera do design. Essa mesma onda vem sendo explorada por várias frentes e setores como marketing, customer success, customer experience, vendas, employee experience e por aí vai. É sensacional que, pelo menos no discurso, a gente finalmente esteja falando a mesma língua e, em tese, tenha um tanto de interesses estratégicos em comum. 

Quem acompanhou de perto essas mudanças sabe que nem sempre tudo foi assim, tão desejado e bem vindo. Muitos desafios relacionados a mudança de cultura ainda reinam e apesar do cenário um pouco mais favorável, as barreiras, resistências e “disputas políticas de espaço” ainda existem, e talvez sempre existirão em diferentes graus. Justamente nessa combinação única de forças, motivações, demandas e dificuldades que a abordagem do UX pode ser um grande “change maker”. 

A transformação da percepção de valor do mercado sobre o UX 

Nós da Catarinas Design posicionadas como uma consultoria especialista em UX design conversamos, entendemos e projetamos para muitos cenários de produtos e negócios que chegam aqui com demandas e expectativas variadas. Um ponto que vale reparar é que ao longo dos nossos 8 anos de mercado a forma de solicitar um projeto passou por algumas mudanças. 

Se antes o cliente vinha com demandas de “uma interface mais bonita” ou, na melhor das hipóteses, uma “melhoria da usabilidade”, agora o nível da conversa certamente ficou mais alinhado com a potencial de valor que podemos oferecer como UX designers. Hoje em dia muitos dos projetos chegam a procura de um aumento da conversão pós trial, uma estratégia de product lead growth, um mapeamento da jornada de compra do cliente ou até mesmo um sistema de design para padronização da experiência de uso do produto. Outro ponto interessantíssimo são os novos modelos de trabalho que passam a fazer sentido para os dois lados (consultoria de UX e contratantes), saindo de um estilo “escopo fechado entregue-me logo as minhas telas” para um modelo de “banco de horas contínuo para uma extensão especialista no meu time de produto”. Esse é um ponto que reflete de forma enfática a transformação da percepção sobre a importância e cada vez mais visível indispensabilidade dos processo de UX no desenvolvimento de produtos. 

No momento em que se entende que entregar uma experiência sofrível não é mais uma alternativa viável para se manter competitivo no mercado, as empresas passam a realmente 

precisar das skills do UX no dia a dia de concepção de novas features e melhorias contínuas. Esse movimento cria um impacto direto na busca por profissionais da nossa área e não apenas como um recurso extra desejável para “quando couber no orçamento”. A maior parte das vezes vemos a oferta da boa experiência de uso como elemento chave na proposta de valor das soluções - como podemos ver em diversos discursos de encantamento presentes no pitch de incontáveis empresas. 

Os reflexos negativos do UX como "trend topic" 

Mas claro, nem tudo é alegria. Por um lado temos sim uma busca muito maior por profissionais e projetos de UX, por outro, temos alguns reflexos não tão positivos para os quais deveríamos em perspectiva buscar por melhores respostas. 

Uma delas sem dúvida é a falta de qualificação, maturidade e "horas de voo" dos profissionais que acabam sendo colocados no fogo para resolver grandes problemas sem preparo ou background necessário. Como a demanda acaba em muitos casos se desequilibrando em relação à oferta de mercado, temos UXrs juniores sendo comprados como experientes sem entender o poder e a responsabilidade do espaço de influência que ocupam. Por muito tempo brigamos pelo tal do "espaço na mesa de decisão", requisitamos a possibilidade de entrar no projeto logo no início, durante a fase de levantamento e concepção dos requisitos do produto. Pois bem, agora em muitos casos vejo os designers tendo acesso a porta desse "hotspot", sustentado pela ampla credibilização da área de UX, sem saber exatamente como lidar ou que tipo de postura adotar para fazer jus as possibilidades de ganho que se pode ter com um processo de UX bem executado. 

Outra fragilidade na expansão sustentável do mindset centrado na experiência do usuário que percebo é cultura vigente e a resistências à mudanças. Como já apontam os diversos modelos de maturidade em relação ao UX, os primeiros degraus de consolidação dessa nova forma de ver e projetar produtos digitais passam por uma fase onde estão presente apenas no discurso. Esse ainda é um desafio para inúmeros profissionais que se aventuram em terras onde até então "só havia mato". Gestores que não querem perder o controle, políticas internas envolvendo disputa de poder, falta de tempo / visão ou prioridade, colegas garantindo o seu "espaço ao sol" ou meramente a preguiça de sair de uma inércia que "funcionou até agora", são situações recorrentes apesar do desejo de mudança. Afinal como se sabe, mudar dá trabalho, e não acontece do dia para noite. 

A disciplina de UX como quebradora de barreiras 

Um dos pilares das metodologias do design que mais gosto é a força que temos para entrar em cenários diversos ou adversos com toda a nossa abordagem colaborativa e criar novas conexões que antes eram impossíveis. Desde a época da faculdade falávamos sobre essa característica forte do campo da criatividade que permite criar novas pontes e ligações improváveis. A partir da junção de duas ou mais partes, que talvez nunca se encontrassem se alguém não interferisse com a "bagunça certa", conseguimos gerar novas possibilidades! 

Aplicando essa mesma lógica no que podemos fazer entre áreas de uma empresa, a mágica das sinapses permite alcançar lugares, ou nesse caso ideias, jamais vistas. Quais outras áreas você conhece que se preocupa tanto com a multidisciplinaridade ou com a co-criação? Eu não consigo listar muitas. Essa característica de facilitador que vem (ou deveria sempre vir) no nosso pacote de skills de UX é uma forma de desarmar diferenças e integrar visões e perspectivas que podem ser verdadeiros saltos quânticos no processo de inovação. 

Outro ponto maravilhoso da natureza da nossa missão como UX designers é a visão holística, que incentiva fortemente que a gente veja muito mais do que o que está diante da nossa tela. O entendimento do todo, do usuário, do contexto, do problema de diferentes stakeholders nos torna mais próximos de soluções melhores e mais consistentes. 

A relevância do posicionamento do profissional de UX 

Sabemos que o nosso campo passa por um momento único de visibilidade e a tendência, segundo vários estudos, é que isso seja ainda mais potencializado nos próximos anos. O human centered design na concepção de novas soluções já é, e deve ainda mais, ser discutido em proporções maiores do que a bolha do design. É uma tendência inegável, que junto com a evolução da tecnologia vai estar sempre presente em nossas vidas. 

Como UX designers nos preocupamos com as pessoas, mas também com os números e com os negócios. Olhamos para restrições e possibilidades tecnológicas, mas também buscamos a inteligência dos processos e com os impactos que isso gera no mundo. No meio disso tudo, nós, os "pioneiros" desse mindset das experiência memoráveis, sem dúvida temos a obrigação de levar essa perspectiva para frente na sua melhor forma possível, com toda a importância que ela merece. 

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Priscilla Albuquerque
UX Strategist
,
Catarinas Design

Priscilla Albuquerque é graduada em Design de Produto pelo Instituto Federal de Santa Catarina, pós graduada no MBA em Gestão Estratégica do Design pela Univali e especialista em Design Centrado no Usuário pela Universidade Positivo. Mestre em Design na área de interações e interfaces comunicacionais pela UDESC e mentora de diversos programas como Startup SC e Startup Weekend. Co-founder e UX strategist na Catarinas Design, além de ministrar disciplinas de Design Centrado no Usuário para alunos de pós graduação.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify