Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Designer de Produto Senior
,
C6 Bank
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

O Design sob a visão de um designer preto 

Se me perguntarem do que o Design precisa para se tornar ainda mais relevante para sociedade a minha resposta sempre será a diversidade. Está mais do que comprovado que as empresas com equipes diversificadas têm o melhor desempenho do mercado comparado aos seus concorrentes menos diversos. A diversidade aumenta o nosso campo de visão. Somos forçados a olhar para os diferentes contextos sociais e construir um repertório multíplice que seja capaz de dialogar com a maioria das pessoas seja de forma generalista ou individualista. É um aprendizado. 

Apesar de não ser uma novidade, é possível identificar que nossa comunidade ainda caminha de forma lenta para um cenário menos hegemônico e mais equitativo. Segundo o Panorama de UX de 2019 com foco em Diversidade por Carolina Leslie, o design ainda é predominantemente masculino, branco e hétero. Em uma sociedade onde negros e pardos representam 54% da população brasileira, este número cai para 23% enquanto brancos representam 70% dos profissionais de design. 

Quando olhamos para a divisão entre raças, identificamos algo que pode ser facilmente observável em eventos da área — e no mercado de tecnologia como um todo. A distribuição entre raças em UX não representa a divisão da população brasileira pelo IBGE. — Leslie 

Os outros 

Além de dar mais oportunidade no mercado para diferentes perfis de profissionais, a importância em construir uma comunidade rica em diferenças está inerentemente ligada a forma como projetamos. Durante o Festival de Inovação da Fast Company em 2018, Ian Spalter — Head de Design no Instagram — conta que “quando você está acostumado a ser o ‘outro’ (enquanto profissional negro), fica mais fácil pensar nos outros”. Ele também diz que descobrir novas soluções desenhadas por pessoas de diferentes etnias e culturas é muito inspirador. Com isso, podemos identificar dois conceitos básicos nas falas de Ian que trazem luz para este tema: inclusão e descolonização

Inclusão é trazer para a mesa e fazer com que as pessoas se envolvam num diálogo sobre o que e para quem estamos construindo. Descolonização é mudar a forma como pensamos 

deixando de lado nossos conceitos pré-estabelecidos pela cultura hegemônica, abrindo espaço para novas narrativas. 

Design centrado na Europa 

O eurocentrismo é uma visão de mundo que tende a colocar a Europa (assim como sua cultura, seu povo, suas línguas, etc.) como o elemento fundamental na constituição da sociedade moderna, sendo necessariamente a protagonista da história do homem. Resumidamente, trata-se da ideia de que a Europa é o centro da cultura do mundo. — Wikipedia 

O design do século XXI é fortemente influenciado por uma cultura eurocêntrica. Desde os conceitos modernistas da arquitetura aos estilos tipográficos suíços, a influência européia e também norte-americana continua sendo o principal padrão pelo o qual o “bom” design é medido e isso é um problema. Por que não ouvimos falar sobre a linguagem nas formas e cores dos tecidos Kente de Gana, por exemplo? Ou sobre os conceitos utilitaristas na arte indígena brasileira Marajoara? Articulamos pouco sobre as diferentes formas de expressões presentes no mundo. 

“Vejo paralelos distintos entre minha transformação em designer gráfico e minha formação de identidade cultural, seja racial ou religiosa” diz Anne Berry, que é professora de Designer Gráfico na Universidade Estadual de Cleveland (Estados Unidos). Para a ela, é essencial que nos comunidade considere o repertório cultural de cada indivíduo. Mas enquanto embranquecido e excludente, o design segue sendo um espaço de aculturação, onde nossa identidade profissional é construída sob a perspectiva de um padrão no qual muito de nós não nos identificamos de fato. 

Pertencimento 

Em 1920, surge um movimento chamado “O Renascimento do Harlem” em Manhattan (Nova York, EUA) como principal resposta da população negra ao sentimento de não pertencimento e exclusão causado pelo preconceito e segregação racial no país. Com o objetivo de construir uma nova narrativa artística baseada nas influências africanas e no orgulho racial, o Renascimento do Harlem se torna o principal berço da Jazz e outras expressões que nos influenciam até os dias de hoje. Na mesma época, aqui no Brasil, surge o movimento artístico intitulado “Antropofágico” no modernismo brasileiro como principal crítica a centralização da cultura norte-americana e da europeia. Para Oswald de Andrade, principal nome do movimento, “não se deve negar a cultura estrangeira, mas ela não deve ser imitada”. 

Apesar dos diferentes contextos, o Renascimento do Harlem e o Movimento Antropofágico Brasileiro parecem denunciar a mesma supervalorização de uma única cultura externa e a necessidade de diferentes narrativas. Após 100 anos, podemos identificar que o design permanece estagnado nos conceitos que perpetuam a mensagem de que nossa comunidade não é culturalmente inclusiva e diversa 

O padrão que você comunica é o padrão que você aceita — Maurice Cherry 

É muito importante que entendamos como a hegemonia no design afeta a forma que enxergamos a sociedade e como estamos construindo nossa identidade profissional. Queremos garantir que a comunidade seja mais diversa? Queremos tomar mais ações inclusivas? Queremos fazer do design um espaço equitativo? Estamos edificando um local onde as diferentes vozes podem ser ouvidas? Precisamos preparar o terreno. 

Comecemos pelo exercício de encarar e aceitar a pluralidade cultural em suas diferentes formas através dos nossos alunos e profissionais, e questionemos nossos padrões impostos para que nossos vieses colonizadores não se perpetuem dentro do design.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Wagner Silva
Designer de Produto Senior
,
C6 Bank

Carioca, 26 anos, autodidata, Designer de Produto na C6 Bank e colaborador no DDNBR (Design Digital para Negrxs). Atuo há 8 anos no mercado, transitei por diferentes áreas do Design Gráfico e atualmente sou apaixonado por UX Design e ativismo negro.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify