Dia da Marmota

Daniel Furtado
Designer
,
Wezen e UXNOW
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

- Phil? Phil? Phil Connors?
- Ned? Ned Ryerson?
- Phil? Phil? Phil Connors?
Phil dá um soco na cara de Ned.

Esse é um dos múltiplos diálogos engraçados do filme Groundhog Day, Feitiço do Tempo, em Português. A comédia, de 1993, é estrelada pelo gênio do humor Bill Muray e conta a história de um jornalista sarcástico e cínico – o Phil do começo do texto – que recebe uma punição do universo: Viver o mesmo dia novamente, novamente, novamente e novamente. 

É estimado pelos críticos que o protagonista fica preso por 33 anos no mesmo dia, apesar de originalmente o roteiro prever que ele ficasse 10.000 anos no loop temporal. 

Foi o tempo suficiente para Phil conhecer TODAS as pessoas da cidade, aprender a tocar piano, virar um escultor de gelo, ser esfaqueado, enforcado, congelado, eletrocutado e tido vários tipos de “mortes”.

Não importa o que o Phil faça, quando ele dorme acorda no mesmo dia e todas as coisas acontecem novamente na mesma ordem. Ele pisa na mesma poça d’água, cumprimenta a mesma pessoa, vê o mesmo homem idoso tendo um ataque cardíaco e encontra novamente a colega de trabalho vivida pela Andie MacDowell – que acaba sendo o par romântico do Bill Murray e ensina para ele que “o homem perfeito é muito humilde para saber que é perfeito”. 

Conforme a história se desenrola Phil percebe que suas próprias ações e reações mudam (levemente) os acontecimentos do dia e ele pode arriscar fazer o que quiser. “Eu posso comer o quanto eu quiser – sou imortal”, diz ele numa cena. No dia seguinte ele acorda e tudo começa da mesma maneira.

Phil está preso num mesmo dia que nunca acaba. Tudo a sua volta é igual. A única coisa que muda é ele. E a mudança nele mesmo é que acaba quebrando o feitiço, me desculpem pelos spoilers, mas somente quando ele passa a ser honestamente uma boa pessoa ele foge da prisão temporal.

O ano é 1998...

e o engenheiro Alan Cooper lança o livro “The Inmates Are Running the Asylum”, uma tese sobre como o universo de construção do software estava contando com práticas erradas e potencialmente perigosas para os usuários. Ele confronta a forma como tudo era criado, principalmente a lógica invertida onde os programadores é que definem o aspecto final de um produto digital. 

Vários pontos centrais do livro são importantes e eram então praticamente inéditos na indústria do software: desenvolver um software é uma tarefa muito complicada e por isso os programadores possuem um conhecimento desproporcional sobre computação em oposição aos usuários; que em vários empreendimentos humanos o trabalho em equipes interfere na construção do produto; que um dos objetivos do usuário ao usar um produto é “não se sentir estúpido”; que se fazemos um produto para agradar a todos não estamos agradando ninguém e, finalmente; que um software deveria ser criado por designers antes de ser programado.

Algumas ideias fundamentais sobre design de interação foram explicadas nesse livro como a utilização de personas, objetivos de usuário e cenários de uso. 

Além do livro “The Inmates Are Running the Asylum”, Cooper também é autor de um dos meus livros favoritos, “About Face: The Essentials of Interaction Design”. Aqui ele revê os conceitos descritos no livro anterior e é mais didático em explicar sua abordagem de design – o design centrado no usuário orientado a objetivos. Ambos os livros são incrivelmente úteis para quem trabalha no mundo do design e desenvolvimento de softwares.

Cooper usa uma linguagem sarcástica e cínica, um pouco o Phil Connors do começo desse texto, e talvez por isso não seja um autor tão comemorado quanto o sempre fofinho Donald A. Norman. 

Atualmente Alan Cooper escreve artigos e cutucadas para quem é designer e desenvolvedor no seu Twitter (https://twitter.com/mralancooper) e Medium (https://medium.com/@MrAlanCooper). Sugiro que vocês o acompanhem pois o homem é um gênio.

Hoje em dia, 21 anos depois do lançamento do livro, algumas ideias do Alan Cooper são faladas como se fossem uma novidade e como se vivêssemos o mesmo dia novamente, novamente e novamente.

Como num conto de ficção fantástico, as vezes parece que a evolução da nossa profissão está aprisionada numa prisão, enfeitiçada num loop perverso onde tudo sempre começa de novo. 

Você sente que os processos não progridem? Que o diálogo retrocede ao invés de evoluir? Que precisa explicar sempre que “uma persona é importante para entendermos melhor quais os objetivos de nosso usuário típico”. Ou, mais óbvio ainda, falar como um mantra – um grande ommmmmmmmm diário – “que tal validarmos se é isso mesmo que os usuários desejam e precisam?”.

Eu as vezes me sinto assim, sinto que estou preso e que todo dia escuto a mesma coisa. Escuto a mesma pergunta dos meus clientes – “Eu vi que aqui você colocou um ícone e aqui você não colocou. Por que?”. 

Diferente das pessoas que interagem com o Phil, todos os coadjuvantes da sua história vivendo as suas vidas de um único dia, o Phil tem a memória de tudo o que aconteceu. Ele sabe que pode fazer diferente. Ele sabe que consegue outros resultados mesmo com tudo ao seu redor sendo igual. Phil sabe que a mudança depende dele e não dos outros.

O ano é 2020. É um ano mágico. Arredondado. Um par de números. Um ano a mais de Blade Runner. Um ano depois de Akira. Um ano fora de uma década “teen”. Um ano que agora é um novo loop. 

Assim como Phil sabe que a mudança depende dele, a mudança depende da gente. 

Temos que entender o que já foi feito. O que já está escrito. O que já foi testado. O que é amador. O que é profissional. O que leva a gente para a frente. 

Muito mais do que levar a nossa profissão para a frente, a nossa bandeira, o nosso ommmmmmmm, o que fazemos para levar o nosso usuário para a frente? Que evolução permitimos que os outros tenham?

Phil entendeu que precisava ser humilde para atingir uma perfeição. Que a história é de todos os moradores de Punxsutawney e não só dele. 

Nosso processo de trabalho não é centrado no design. A humildade do diálogo sem sarcasmo e o empoderamento das nossas equipes, com o objetivo do empoderamento do nosso usuário é a quebra do feitiço.

Não precisamos acordar todo dia com um despertador e uma música tocando igual, igual e igual. Podemos agir como adultos, agora que a década não é mais adolescente?

Termino com uma frase que amo do Alan Cooper: Se queremos que nossos usuários gostem do nosso software devemos projeta-lo para que ele se comporte como uma boa pessoa: Seja respeitoso, generoso e prestativo.

Assim como o Phil Connors que quebrou o feitiço.

Feliz ano novo.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Daniel Furtado
Designer
,
Wezen e UXNOW

"Eleito ""Profissional do Ano 2018 / Categoria UX"" pelo Prêmio Digitalks, Fundador da Wezen e com 24 anos de experiência em design, acredita que produtos e serviços poderiam ser bem melhores do que são. Criou o canal UXNOW para explicar sobre UX, Design Centrado no Usuário e Arquitetura da Informação. Como professor, lecionou em diversas disciplinas relacionadas à design e UX (IBTA\Metrocamp\Véris, PeopleTec, Iladec, Faculdade Impacta Tecnologia, Puc Campinas, MBA USP-ESALQ, entre outros)."

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify