Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
UX Lead
,
Hospital Israelita Albert Einstein
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

O design deve ser colaborativo e para todos. Quantas vezes já ouvimos isso? Quantas vezes nós acreditamos nisso? Mas, quantas vezes nós fizemos escolhas que prejudicaram a vida do usuário? E não se engane, todos já fizemos.

O termo “exclusivo” no Brasil sempre teve uma conotação positiva, carro exclusivo, serviço exclusivo, cliente exclusivo. Mas o que exclusivo realmente significa? - Fácil, excludente. -

Quando projetamos produtos e serviços exclusivos, estamos propositalmente retirando das pessoas a possibilidade de utilizar a nossa solução. Para algumas pessoas isso significa valor, a escassez torna o produto e/ou serviço mais desejável. Mas aí você começa a colaborar com uma sociedade cada vez mais consumista e hedonista e, sim, o designer tem um papel fundamental na construção social que temos hoje.

Nós como designers nos vemos como responsáveis por projetar experiências, e dai já estamos errados, ninguém projeta isso.Experiência é algo como CPF, pessoal e intransferível, cada pessoa experiência o mundo de acordo com sua vivência e repertório pessoal. Por conta disso, já seria impossível projetar experiências, o máximo que conseguimos é projetar produtos e serviços com menor atrito e melhor relacionamento possível. A experiência depende da existência de uma pessoa utilizando para se concretizar.

Portanto, projetamos produtos e serviços para resolver o problema de alguém, mas cada vez mais estamos resolvendo um problema e criando outro. O maior exemplo disso? A criação da "Gig economy", também conhecida como Uberização e, mais corretamente, precarização das relações de trabalho. Quando analisamos a fundo produtos como compartilhamento de carros, delivery de comida, entre outros, estamos vendo a exponencialização de problemas sociais. Pessoas que precisam trabalhar 14, 16 e às vezes até 24h para receber menos de um salário mínimo, a vida do usuário final ficou, sem dúvidas, mais fácil e mais barata. Mas o impacto social que estamos criando é quase tão grande quanto o impacto positivo na vida das pessoas.

A economia que é vista como futuro, com freelancers ou no melhor do nosso português "bicos", não é baseada em oferta e demanda, como dizem. É baseada em precarização e tempo. Isso mesmo. TEMPO versus PRECARIZAÇÃO. As pessoas que não têm tempo e utilizam esses serviços geralmente têm dinheiro e possuem algum tipo de segurança financeira, o que compra a segurança e a força de trabalho de quem tem tempo, também conhecido como desemprego. Logo, estamos financiando uma economia que vive do subemprego, e ainda pior, estamos projetando para que ela seja assim.

Estamos deliberadamente colocando as pessoas que já são historicamente marginalizadas em situações cada vez piores para manter o seu sustento. E por que fazemos isso? Porque projetamos para nós mesmos e para nossa bolha imediata, e por mais que os designers digam que não estão fazendo isso, nós estamos sim. E cada vez mais. Quantas pessoas de classe baixa fazem parte da sua equipe? Qual a última vez que uma pessoa que você entrevistou, realmente fez parte da sua decisão de design ou da decisão de negócio da sua empresa? Inclusão não é só fazer pesquisa com usuários e ter empatia. Inclusão é incluir essas pessoas no seu processo, permitindo que elas também façam parte da tomada de decisões. É muito difícil empatizar com uma pesquisa, com um texto, mas é fácil empatizar quando a pessoa está do seu lado tomando decisões difíceis com você, trazendo a perspectiva dela na solução.

E isso acontece porque o Design se tornou aquilo que repudia: elitista e restrito. Poucas pessoas têm acesso e menos pessoas ainda botam a mão na massa. Philippe Starck, o criador do espremedor-aranha que estampa a capa do livro "Emotional Design", diz que o design está morto porque nós estamos utilizando ele apenas para gerar dinheiro para poucas pessoas. Em uma reportagem, ele diz sobre o iPhone: "Existem dois problemas nesse aparelho. O primeiro é que ele utiliza trabalho escravo para ser construído, e o segundo é que ele custa caro demais por ter sido feito utilizando trabalho escravo". A fala é um tanto quanto incoerente, pois Starck ficou milionário projetando produtos para pessoas como Steve Jobs e o ex-presidente da França, mas o ponto é: nós nos fechamos em uma bolha em que acreditamos que estudo, viagem e conhecimento são as características que grandes designers precisam ter para serem bons. Mas isso tudo é elitista, nem todos podem arcar com estes custos. É irreal um designer que já mochilou pela Europa desenhar um serviço para a classe C sem nunca ter pisado em uma periferia, sem saber geograficamente onde se encontra o Capão Redondo ou a favela da Maré, que acabam criando economias paralelas para poder existir e resistir. O design em si não é proibido para ninguém, mas o seu acesso vem se tornando cada vez mais proibitivos, salvo excelentes exceções como o caso do UX para Minas Pretas.

Muitos designers se fecharam em um mindset colonizador e restritivo, em que acreditam que o design vai salvar o mundo e as pessoas, mas nós não vamos. Nós solucionamos problemas, sim, mas nós não resolvemos os grandes problemas, nós entregamos aplicativos melhores e sistemas de chatbots mais inteligentes, mas o quanto estamos contribuindo para o fim da fome? Para o fim da pobreza? Para o fato que já existem mais imóveis vagos do que pessoas sem teto nas grandes metrópoles ocidentais? Nada, pois nossa visão é holística quanto aos problemas que queremos resolver e não no sistema em que ele se encaixa. Por exemplo, quando atacamos um problema da relação das pessoas com seus bancos, entendemos como as pessoas gastam, como se comportam com o banco, focamos no problema principal, excluímos os secundários e entregamos bancos digitais sem taxa e aplicativos de empréstimos a juros mais baixos. Resolvemos os problemas da melhor forma possível, mas as taxas de inadimplência continuam crescendo, os índices de desigualdade estão maiores do que eram há 10 anos e as pessoas simplesmente não conseguem poupar dinheiro. E por quê? Quando abordamos o problema de forma linear, esquecemos do sistema e dos problemas que o envolvem. Não poupar dinheiro não é referente apenas à educação financeira, mas também a salários precarizados, inflação, falta de perspectiva, entre outras coisas. Nós estamos, mais uma vez, excluindo da nossa solução aquilo que não nos serve e entregando apenas aquilo que nos faz bem.

No Ethical Design Manifesto,  criado em 2016 de forma colaborativa, foram decididos três princípios básicos para um design inclusivo e ético e que todos nós deveríamos pensar:

Diretos humanos

O design deve ser descentralizado, aberto, distribuído, democrático, acessível, seguro e sustentável para as pessoas.

Esforço humano

O design deve ser de fácil operação, consistente, confiável e funcional para as pessoas.

Experiência humana

O design deve ser prazeroso e agradável para as pessoas.

Basicamente é colocar as pessoas no centro de tudo, mas de uma perspectiva humana e não financeira. Antes de consumidores e stakeholders, nós somos humanos. Todo design que projetamos deve levar em conta o bem-estar coletivo e os direitos básicos e universais de cada pessoa. Devemos colocar as pessoas no centro de tudo e empoderá-las para que elas possam tomar decisões e tenham acesso às novas soluções. A próxima grande revolução digital precisará ser social e inclusiva, ou simplesmente não se sustentará para as próximas gerações. Nosso design deve deixar de ser linear e ser mais circular; é mais sobre projetar a melhor experiência dentro de um restaurante, é sobre projetar esse restaurante e saber se suas hortaliças não utilizam trabalho escravo, se seu lixo reciclado chega no destino e se a pessoa que faz a limpeza um dia possa comer lá com seu próprio salário, sem comprometer a sua dispensa no final do mês. Ou nosso projeto inclui todas as pessoas e torna todo o ecossistema melhor, ou ele não deve sair do papel. Dessa forma, podemos deixar de sonhar com um mundo melhor e, de fato, projetá-lo.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Diego Rezende
UX Lead
,
Hospital Israelita Albert Einstein

Atualmente UX Lead no Hospital Israelita Albert Einstein, vem disseminado a cultura de transformação digital e design dentro da companhia. Graduado em Publicidade e com especialização em Comunicação Digital, atua como UX designer há 10 anos. Já tendo atuado na concepção de vários sites e aplicativos, como Itau Mobile, E-commerce Pão de Açucar e Interface do programa Smiles. Nos últimos anos vem se dedicando ao treinamento e disseminação das metodologias de Design Thinking em workshops e com mentorias em Hackathons empresariais. Tem passagens por Abril Digital, Saiba +, TOTVS e Embraer.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify