Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Fundador e Especialista em UX
,
Soyuz
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

O Caminho do Peabiru - mato batido em tupi antigo -  era uma rede de estradas que saía de Santos até Florianópolis numa malha de ramificações que cobria boa parte do país, permeava a América do Sul e surpreendentemente levava até Cusco. Talvez até o Pacífico ou além. Você já ouviu falar nisto? Que o chão que nós pisamos tem uma história muito mais antiga e sofisticada do que a narrativa que chegou até nós? 

Não é um folclore curioso, é uma história de inteligência, ciência e tecnologia.

Eu estava em Paranapiacaba olhando praquelas serpentes de trilhos enfiados no meio da mata e do morro que,  por uma única falha na serra, era possível descer até o mar. Como os gênios ingleses da engenharia  foram tão sábios para descobrir aquele ponto perfeito por onde se vencia a muralha da serra? Que homens brancos de olhos claros sábios e superiores! Mas não. Eles desceram os trilhos pelo Peabiru. A sabedoria era dos índios, já estava na terra. Estava tudo desenhado. Estava tudo projetado. Design by Tupiniquins. 

Essa trilha era a nossa rota de seda. Sobe mandioca, desce milho. Muita riqueza, muita cultura, muita inteligência. 

É 2019 em Mauá, São Paulo. Aquela rua que permeia a favela do lado da linha do trem é Peabiru. Ainda tem mato batido lá. As pessoas  tem descendência dos tupiniquins  mesclados com sangue dos negros escravizados e de todos as outras pessoas que as narrativas históricas foram, de forma sistemática e propositalmente, apagadas.

Quem não tem memória perde a referência de onde veio e para onde vai. E assim, perdido no tempo, não tem orgulho ou estima pelo seu chão ou pelo que é. 

Essa é a razão - vergonha alheia - das famílias da nobreza sustentarem um carrilhão de sobrenomes. Mas não é o caso do menino sentado na beira do Peabiru. Alguns nem sabem quem é o pai. Sua história é truncada, é picotada. Mas contenha seu sentimento, não sinta pena, não desperte a caridade. Esse é o sentimento errado. 

Paula Macedo, em uma de suas falas no ILA de Medellín, contou que em uma de suas pesquisa uma moça disse: “Cada pessoa é um mundo”. E foi bonito ver como essa moça realmente foi ouvida. Porque, afinal de contas, nosso ofício é um ofício de ouvir narrativas e humildemente tentar respeitar, compreender e aperfeiçoar de forma constante e recorrente. 

Sim, estamos trabalhando em negócios. Planos de negócios. Investimentos. Produtos. Serviços.  Essa é a hora de você imaginar o investidor engravatado andando de patinete enquanto dólares caem do alto dos edifícios. 

Mas talvez seja pouco inteligente pensar que o foco  em uma narrativa parcial, geralmente corroborada e atolada num pacto narcísico egocêntrico - em que só enxergamos nossos pares e tornamos convenientemente invisíveis todas as outras pessoas - seja uma estratégia sustentável. Te digo, companheiro, que dificilmente o é. E mais: pensando do ponto de vista das relações comerciais naturais à qualquer negócio: é pouco lucrativo.  Muito pouco mesmo. Porque quanto menos gente se interessar pelo seu produto ou serviço, menos você vende. 

Mas, voltando àquele sentimento: talvez seja empatia, mas talvez seja apenas pena o que nós sentimos das pessoas que nós não enxergamos. A  superioridade do colonizador é o que nos faz sentir os designers que vão salvar o mundo. Nos faz olhar as pessoas de cima, nos sentirmos injustiçados por sermos tão sabidos e, diversas vezes,  sermos deixados de lado como simples desenhadores. 

"Porque, de modo geral, pode-se dizer que os homens são ingratos, volúveis, fingidos e dissimulados, avessos ao perigo, ávidos de ganhos; assim, enquanto o príncipe agir com benevolência, eles se doarão inteiros, lhe oferecerão o próprio sangue, os bens, a vida e os filhos, mas só nos períodos de bonança, como se disse mais acima; entretanto, quando surgirem as dificuldades, eles passarão à revolta [...] - De crudelitate et pietate; et an sit melius amari quam timeri, vel e contra" — O Príncipe, Maquiavel.

O designer é o príncipe,  assim como o gestor, o investidor, o cara do marketing e o programador também é. Mas Maquiavel está certo. As pessoas são movidas por interesses bem mundanos, principalmente quando precisam apenas sobreviver. 

Vemos cada vez mais projetos com foco num público no alto da pirâmide de Maslow, enquanto a base vulgarmente  adapta, modifica e distorce o que nós projetamos. Transformando aquele nosso lindo produto em algo que nós não queríamos. Afinal, nossos produtos, nossas regras. 

E assim, olhando pra dentro, para a carreira, para as ferramentas, para os títulos e para os métodos, vamos construindo os muros que nos dão segurança e conforto - e entregado cada vez menos valor. Porque mais importante do que as pessoas é defender a minha guilda.

Nesse redemoinho de egos em que cada grupo de profissionais - squad-  se transforma, aqueles que ainda querem lutar para verdadeiramente incluir no jogo o maior número de pessoas possíveis sentem-se acuados, retraídos e sem voz. Porém, no espaço da nossa omissão é que crescem os discursos de caráter duvidoso e vazio que tem encantado nossos colegas. Sinto que precisamos retomar à base. E lembrar sempre do que é óbvio: nossos projetos são centrados nas pessoas - usuários, consumidores, clientes ou qualquer nome, sigla ou buzzword que queiram chamar.

Isto me lembra o princípio da liberdade descrito por Mikhail Bakunin:

"Só serei verdadeiramente livre quando todos os seres humanos que me cercam, homens e mulheres, forem igualmente livres, de modo que quanto mais numerosos forem os homens livres que me rodeiam e quanto mais profunda e maior for a sua liberdade, tanto mais vasta, mais profunda e maior será a minha liberdade. Eu só posso considerar-me completamente livre quando a minha liberdade ou, o que é a mesma coisa quando a minha dignidade de homem, o meu direito humano refletidos pela consciência igualmente livre de todos, me forem confirmados pelo assentimento de todos. A minha liberdade pessoal, assim confirmada pela liberdade de todos, estende-se até o infinito."

Nossa obrigação como profissionais de UX está em advogar pelas pessoas. Pelos seus sentimentos, memórias e narrativas. Com humildade, acolhimento e respeito. Amplamente, corajosamente em alto e bom som. Como guerrilha, da base para o topo, revolucionar as relações e as interações das pessoas não só com os produtos e serviços, mas com suas comunidades, com a cidade e com a sociedade. Tendo consciência de que os artefatos tecnológicos são meios e não fins. São ferramentas para aprimorar as interações, revolucionar e melhorar de forma democrática e acessível a vida das pessoas. 

O maravilhoso da nossa época é a escolha de poder construir qualquer coisa de maneira a potencializar a equidade e a autonomia. Não tendo uma ilusão maniqueísta de bondade ou maldade. Somos humanos e estamos aprendendo e ensinando, evoluindo e tentado fazer o melhor.  Como disse Alan Turing:

Aqueles que podem imaginar qualquer coisa, podem criar o impossível.

Então, acolhendo e abraçando, ouvindo e respeitando vamos exercendo algo que pode ser um ofício muito bonito. Temos essa escolha. Temos a escolha de fazer melhor. Temos a escolha de construir pontes. E, ocasionalmente, através de novas narrativas, transformar vidas.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Clécio Bachini
Fundador e Especialista em UX
,
Soyuz

Cientista de computação com foco em design de interação, experiência do usuário e acessibilidade. Co-autor do Livro Open Web Platform e de diversas outras publicações. É líder local da Associação de Profissionais de Experiência do Usuário - UXPA São Paulo. Atualmente desenvolve estudos sobre a cidade, sua interação com as pessoas e como mapear e aprimorar jornadas e narrativas para desenvolver a economia local.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify