Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Instrutora
,
Alura
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Durante o processo de desenvolvimento de algo novo, sempre tentamos resolver algum tipo de problema. Normalmente esses problemas estão relacionados diretamente com os contextos ao nosso redor. “Não quero comprar um carro, mas não quero usar um transporte público” ou “Estou com fome, mas não tenho tempo ou disposição para cozinhar algo”. Sempre existe algo para melhorar na nossa rotina. Mas e para as pessoas que não tem quem crie algo para elas? Ou e as pessoas que são esquecidas na sociedade? 

Existe uma questão sobre acessibilidade que observo há algum tempo. A não ser que você tenha uma deficiência ou tenha passado por uma necessidade temporária de falta de acesso, existe uma probabilidade de você não vai ligar para acessibilidade. Dependendo das situações do seu dia-a-dia e do nível de acessibilidade que você necessita em um determinado momento, você provavelmente não vai associar isso a acessibilidade. Como quando você está com pouca bateria, na rua com dificuldade para enxergar algo na sua tela por conta da falta de contraste do aplicativo. 

Isso não acontece sempre, é claro. Existem pessoas que se preocupam com o próximo de diferentes maneiras. Esse nível de preocupação que diferencia os sentimentos de pena, simpatia e empatia, como descrito no artigo do Grupo Nielsen [1]. Quando uma pessoa não entende o que as outras pessoas passam, sendo as situações diferentes da sua, normalmente existe o sentimento de pena. Você não sabe muito bem o que fazer, mas você pode pensar que é importante ajudar as outras pessoas. Aí está o problema! Quando existe esse tipo de pensamento, você se coloca como superior às outras pessoas, como se fosse um favor desenvolver algo para resolver o problema delas. 

Quando evoluímos o tipo de pensamento para simpatia, nós chegamos à entender o que acontece com o outro. Você como pessoa do desenvolvimento pode tentar resolver as barreiras de acessibilidade que outra pessoa passa. Mas existe uma distância do problema, como se você nunca fosse passar por uma situação parecida.

Porém, não existe favores relacionados à acessibilidade e a LBI (Lei de brasileira de inclusão - LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015) garante isso para todos os cidadãos [2]. Todo o conjunto da lei garante o direito de acesso para qualquer e todas as pessoas. E o Capítulo 2 da lei garante a não discriminação de ninguém. O Guia sobre a LBI mostra que as leis servem como ferramenta para mudar o ambiente e serviços para ser usufruído por todos. Por conta disso, a acessibilidade não deveria ser vista como algo imposto pela legislação, mas sim como algo básico e de direito para qualquer pessoa da sociedade.

Eu vejo a simpatia como um primeiro passo para nos preocuparmos de verdade com acessibilidade. Porque criamos algo que vai além de resolver os problemas que as pessoas enfrentam no cotidiano. Podemos criar algo que realmente vai melhorar a vida de diferentes tipos de pessoas. A partir daí começamos a nos tornar as pessoas que defendem e vão atrás não apenas da acessibilidade, mas da diversidade como um todo.

Acessibilidade junto com a diversidade.

Dentre as várias definições para acessibilidade uma das minhas preferidas é a da W3C que diz que “acessibilidade na web é a possibilidade e a condição de alcance, percepção, entendimento e interação para a utilização, a participação e a contribuição, em igualdade de oportunidades, com segurança e autonomia, em sítios e serviços disponíveis na web, por qualquer indivíduo, independentemente de sua capacidade motora, visual, auditiva, intelectual, cultural ou social, a qualquer momento, em qualquer local e em qualquer ambiente físico ou computacional e a partir de qualquer dispositivo de acesso.”[3]. Ou seja, acessibilidade não é limitada a uma parte da população ou para ser utilizada em uma parte das tecnologias. Acessibilidade é voltada para todas as pessoas, em qualquer condição física, qualquer ambiente, sem limitações de conhecimentos.

Contudo, não podemos afirmar que existe uma acessibilidade padrão para todas as pessoas. Existem diversos tipos de minorias que estão em escala diferentes de inclusão e exclusão na sociedade, na imagem abaixo temos uma representação desses níveis.

No primeiro desenho temos um exemplo de exclusão, com um grupo no centro de um círculo e diferentes grupos circundando o grupo central. Se compararmos com os níveis apresentados no artigo do Grupo Nielsen, a exclusão seria o momento que as pessoas ignoram a diversidade e suas necessidades dos grupos minoritários à sua volta. Como quando as pessoas desenvolvedoras criam sites e aplicativos sem acessibilidade. Ou quando utilizamos apenas o gênero masculino para a divulgação de vagas de emprego.

O segundo desenho representa a segregação que encontramos na sociedade, onde os diversos grupos excluídos anteriormente que estavam separados, ficam juntos. Eles se ajudam mutuamente, mas ainda sem aproveitar das oportunidades existentes do grupo central, ficando excluídos e separados desse grupo. A segregação representaria a pena, que pelas minorias estarem unidas elas ficam mais perceptíveis para o grupo central da sociedade. Como quando uma pessoa com mais idade e baixa agilidade atravessando a rua, o trânsito impaciente com um trânsito ou pedestre impacientes a sua volta.

O terceiro desenho representa a integração dos grupos das minorias com o grupo central, adicionando-as na área central. Agora, as minorias participam parcialmente dos ambientes do grupo central, mas ainda continuam à margem da sociedade. Nesse exemplo, a integração representaria a simpatia, pois toda a sociedade consegue perceber as dificuldades que as minorias passam. Porém, ainda existem uma barreira que mantém as minorias separadas, sendo consultadas e entrevistadas sobre o que precisam apenas quando existe uma necessidade ou quando as pessoas do grupo central são obrigadas. Como quando você cria uma vaga de emprego com linguagem neutra, mas na empresa não existe um banheiro sem gênero. Ou quando você precisa aplicar acessibilidade no site, mas foca apenas em uma deficiência e não em todas as existentes.

O último grupo representa a inclusão de todas as pessoas, sem as barreiras citadas anteriormente. Nesse grupo as pessoas interagem entre elas e existe uma preocupação para que a convivência seja a melhor para todos. A inclusão representaria a empatia, na qual todos se preocupam e trabalham para que seja desenvolvido o melhor site ou aplicativo para todos. É nesse ponto que temos que trabalhar para que todas as minorias cheguem. De tempos em tempos trabalhamos com diferentes grupos para que haja uma evolução deles na sociedade. Mas infelizmente, não existe um esforço constante no trabalho empregado para todos. Por exemplo, apesar da área de UX ser conhecida por trabalhar em prol do usuário, as pessoas da área não representam grande parte da população. A pesquisa do Panorama da área de UX do Brasil de 2019 [4] mostra que 70% das pessoas se identificam como brancas. Ou seja, apesar de aproximadamente 51% da população brasileira não se declarar como branca para o IBGE [5], não é isso que encontramos na área de UX como maioria. Ou seja, se não houver pessoas para advogar em prol dos grupos não representamos, quem estará lá na luta diária para fazê-lo?

Por isso, coloco que a acessibilidade é um ponto inicial para começarmos a nos preocuparmos com a diversidade. Quando chegamos no nível da compaixão, de acordo com o artigo do Grupo Nielsen, é quando começamos a advogar para que nenhum grupo minoritário seja esquecido ou deixado de lado, mesmo não fazendo parte desses grupos. Esse é o ponto mais importante, pois temos que ir além e repassar o conhecimento adquirido para todos. Apenas assim conseguimos a real inclusão entre as pessoas, sem o preconceito de que é muito difícil chegarmos nesse ponto. 

Tudo que relatei nesse artigo veio da minha experiência nesses 10 anos na área de UX. No começo da minha carreira, quando trabalhava com acessibilidade tudo que aprendi eram teorias, com a aplicação correta de regras repassadas por outras pessoas. Em 2018 tive a oportunidade de aprender na prática sobre acessibilidade e diversidade, convivendo e conhecendo pessoas maravilhosas. Para algumas dessas pessoas o acesso à conhecimentos técnicos era uma quebra de barreiras. Assim como ser respeitado como profissional na área de atuação ou simplesmente ser chamado pelo seu nome real e não por nome imposto por outras pessoas. Conheci diferentes níveis de inclusão e exclusão da sociedade e percebi minha evolução nesses grupos. Não como parte da minoria, mas como parte da solução para inclusão das pessoas que fazem parte das minorias. Não posso afirmar que não possuo preconceitos ou que estou sempre no círculo da inclusão. Pois aprendi que apenas podemos nos colocar nessa posição na prática, no nosso cotidiano. 

Hoje sou mais consciente da minha falta de conhecimento em determinadas áreas e dos diferentes perfis de pessoas existentes na sociedade. Mas me coloco sempre na posição de ouvir, aprender e repassar para os próximos dispostos em ouvir. 

Esse artigo é uma porta para reflexão. Para que as pessoas se coloquem na posição de ouvir e aprender. Para que você seja mais uma pessoa na luta diária na conquista de uma sociedade mais inclusiva e justa com todos.

Referências

[1] Sympathy vs. Empathy in UX

[2] Guia sobre LBI

[3] Cartilha de Acessibilidade na Web - Fascículo 1

[4] Panorama de UX no Brasil

[5] Panorama de UX em 2019 - Parte 1: Diversidade

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Livia Cristina Gabos Martins
Instrutora
,
Alura

Trabalho há 10 anos na área de UX, quando tudo era mato e ainda não era conhecida por esse nome. Trabalhei no início com a área de acessibilidade e usabilidade e desde então tenho explorado e aprendido sobre essas áreas. Em 2018 tive a oportunidade de dar aulas de programação para pessoas com deficiência visual e esse foi o grande marco de aprendizagem na minha carreira. Este artigo é uma oportunidade de mostrar uma percepção de tudo que tenho aprendido ao longo dos anos.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify