Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Senior UX Designer
,
RD - Raia Drogasil
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Quando pensamos em acessibilidade, é comum a associarmos à deficiência física, mais especificamente àquele ícone azul com a imagem de uma cadeira de rodas.

Mas, você já imaginou que a acessibilidade vai além de uma rampa ou de um código bem desenvolvido para leitores de tela, com contrastes bem definidos? Ou, ainda, em uma lei que, na maior parte, tem somente instruções para se pensar nela, quando poderíamos contar com regras de ouro para fazermos somente o essencial?

Seja qual for o produto e/ou serviço a ser criado, é necessário, além das responsabilidades, entender o público que vai utilizá-lo.

Além do mais, estamos na geração da experiência, em um momento em que empresas desejam e entendem que para fidelizar os seus clientes, aumentar os seus lucros, precisam cada vez mais criar boas experiências de uso.

Era um dia comum. O telefone toca e, do outro lado, uma voz tensa e preocupada já começa a conversa:

– Elias, você pode comparecer aqui na casa do senhor João (nome fictício)?

Ao chegar no local, eu me deparo com um oficial de polícia e outro de justiça. O surdo seria levado à delegacia por não se apresentar na data informada na intimação que recebeu, em mãos, semanas atrás.

Pelo tempo de interpretação em língua de sinais e convívio com a comunidade surda, pude aprender que devemos sempre analisar a jornada junto ao modelo mental do usuário.

Perguntei ao senhor João se ele recebeu a carta, leu e assinou. Sua resposta foi positiva.

Sabendo que a maioria dos surdos não compreendem a língua portuguesa, ainda mais um texto jurídico, questionei a jornada de leitura e entendimento do conteúdo da carta. 

A explicação dele foi a seguinte:

– Instalei um aplicativo no celular que faz interpretação para libras, escaneei o texto e o aplicativo realizou a interpretação. Meu entendimento foi que eu não precisaria comparecer.

Para entendermos o que aconteceu com o senhor João, preciso explicar algumas coisas sobre a língua de sinais, em nosso caso, a de Libras - Língua Brasileira de Sinais.

Isso mesmo, a língua de sinais não é universal, ou seja, cada país possui a sua própria língua de sinais.

Atribui-se a elas o status de língua porque também são compostas pelos níveis linguísticos: fonológico1 , morfológico2 , sintático3 e semântico.

Aquilo que denominamos como “palavra” ou “item lexical” nas línguas orais-auditivas, na língua de sinais são chamadas de “sinais”. 

O que a diferencia a língua de sinais das demais é a sua modalidade visual-espacial. Como qualquer outra língua, ela também possui expressões que diferem de região para região (os regionalismos), o que a legitima ainda mais como língua.

Para formar um sinal, é preciso ter cinco parâmetros:

  • configuração de mão - formato, desenho da mão;
  • ponto de articulação - local onde acontece o sinal, pode ser em um ponto do corpo e ou no espaço neutro;
  • orientação ou direção;
  • movimento;
  • expressão não manuais (corporal e facial).

Na língua portuguesa, falamos em uma estrutura diferente da língua de sinais. Isso está relacionado à forma com que os surdos aprendem a se comunicar desde a infância.

Uma criança ouvinte escuta de seus pais a seguinte frase:

– Filho, você não pode mexer no computador do papai.

Já com uma criança surda, tendo em vista que ela não ouve, é necessário conduzi-la até o objeto, mostrá-lo e, com a expressão corporal e facial juntamente com a mão – dedo indicador balançando de um lado para outro [NÃO] –, informar à criança que ela não deve tocar no computador.

Transcrevendo essa frase, ficaria da seguinte forma:

– COMPUTADOR+NÃO

Levamos em conta aqui que a criança não ouviu e não conhece a palavra “computador”, mas está vendo o objeto em frente, sua forma, cor e estrutura.

Ela guarda em sua mente somente a imagem do objeto mais a expressão facial e corporal indicando a expressão negativa “não”.

Resumindo: você aponta para o computador e diz “não” com a cabeça e o dedo indicador.

De volta ao caso do senhor João, é possível entender a confusão que ocorreu. Os aplicativos de interpretação não realizam a tradução dentro da língua de sinais, eles mantêm a estrutura da língua oral, o que chamamos de português sinalizado. Ou seja, sinalizam palavra por palavra.

Em uma pesquisa5 com 146 surdos, que cursavam a universidade e/ou ensino médio, constatou-se que 100% não utilizam aplicativos de interpretação.

Além do motivo citado acima, de não interpretar a estrutura da língua de sinais, os avatares não possuem expressão facial e corporal, elemento importante na comunicação, e não conhecem as palavras homônimas, aquelas que são pronunciadas da mesma forma mas têm significados diferentes, como por exemplo: 

  • banco (cadeira ou instituição financeira);
  • manga (fruta ou camisa);
  • verão (verbo ou substantivo).

Na mesma pesquisa, observou-se que a maioria dos surdos perguntam e/ou buscam ajuda com ouvintes que sabem libras, para entender o texto e/ou dicionário, mas nenhum utiliza aplicativos e/ou outro recurso tecnológico.

Por isso, a reflexão que desejo trazer dentro do design é a responsabilidade de, como profissional focado no usuário, temos o compromisso real de entender não somente o impacto que realizamos na vida das pessoas, mas o sentido do nosso trabalho.

Não quero dizer que os aplicativos não são bons e não têm utilidade, pois são usados no aprendizado de ouvintes e para que muitos possam ter contato com a língua de sinais. Porém para o público destinado – os surdos –, eles não têm a utilidade que dizem proporcionar, levando em consideração que os seus usuários principais não usam e não são atendidos, chegando até o ponto de poder prejudicá-los como no caso do senhor João.

Para projetar algo para um público, seja ele especifico e/ou geral, é necessário conhecer e se aprofundar em suas dores, tanto quanto conhecer a cultura, costumes, modelo mental e a jornada para solucionar as dores.

É necessário trazer soluções que funcionem, não apenas tecnicamente, mas que atendam de forma a facilitar a vida das pessoas, como a do senhor João, que é surdo; da Maria, cega; do Paulo, cadeirante; da Eleonora, que não tem nenhuma deficiência, mas nunca leu um livro por não saber ler; e sua mãe que já é idosa e não tem os seus movimentos tão ágeis quanto os de quem leu este material.

Design não é apenas o que parece e o que se sente. Design é como funciona. — Steve Jobs

1 A parte da gramática que estuda os sons da palavra. Segundo Fernandes (2003), a fonologia, nas línguas de sinais, é representada pela querologia que, por sua vez, é representada pelos queremas, por meio da articulação dos sinais. 2 A estrutura e forma das palavras. 3 Sistema de leis que permite estudar uma linguagem puramente sob o seu aspecto formal, sem referência à significação ou ao uso que dela se faz. 4 Elemento que confere o aspecto gramatical ao semantema, relacionando-o na oração e delimitando a função e significado.

Bibliografia:

FERNANDES, Elias e ARRUDA, Aline. SISTEMA DE BUSCA EM LIBRAS: Uma ferramenta para o estrangeiro em seu próprio país. 2017. 36. (Categoria e área de concentração) – FIT - Faculdade Impacta de Tecnologia, São Paulo, 2017.
IBGE. Censo Demográfico 2000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?tema=censodemog2010_defic. Acesso em 20 de junho de 2016.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Elias Fernandes
Senior UX Designer
,
RD - Raia Drogasil

Foi engraxate de sapato antes de ser Designer, e nesse tempo todo foi intérprete da Língua de Sinais, atuando desde produção de materiais para comunidade surda como interprete até em sala de cirurgia. Criou um livro bilíngue para crianças surdas que não virou Best Seller, mas já zerou a vida: plantou arvore; apresentou no ILA e na UXCoonfBr um paper; andou de helicóptero; assistiu o Thanos levar uma surra e o Batman bater no Super Homem. Hoje atua como Senior UX Designer na RD - Raia Drogasil.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

O ensino do Design nos tempos de quarentena

Edu Agni
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Edu Agni

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify