A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Product Designer
,
QuintoAndar
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

São 1.343.463 eventos de design e tecnologia que acontecem no mundo inteiro, 23.243 no Brasil, 2.425 em São Paulo. Apesar de serem tantos, apenas 10 são acessíveis. Os números são hipotéticos, mas a realidade é bem assim. Por que esses eventos não são acessíveis? Onde estão as pessoas com deficiência nesses eventos e as 45 milhões de pessoas com deficiências no Brasil? Por que a diversidade é quase nula na área de Design?

Nós designers falamos muito sobre atender às necessidades dos usuários, sobre mentalidade inclusiva e da famosa "empatia". Parece que todos esses pontos são inerentes à nossa função, mas a verdade é que é muito fácil projetar experiências excluindo pessoas sem nem mesmo perceber e planejar eventos de design sem pensar em acessibilidade. Isso acontece por diversos motivos: falta de convivência com pessoas com deficiência; pela rara/inexistente disciplina de acessibilidade/design universal nas faculdades; falta de diversidade em lugares privados e públicos; pelo não cumprimento das leis de acessibilidade (lei brasileira de inclusão) etc. A lista é grande. Afinal, a acessibilidade não é tão popular quanto deveria ser.

Mas por qual motivo? O que falta para que essas práticas inclusivas sejam, de fato, promovidas? 

Podemos colocar como um dos principais fatores a falta de diversidade na equipe de organização do evento. 

Então o que seria um evento acessível? 

Por definição, Acessibilidade é oferecer autonomia para pessoas, com ou sem deficiência, usufruírem de serviços, produtos e lugares. Sendo assim, o que caracterizaria um evento de design como acessível seria a concepção de um espaço, palestras, dinâmicas etc. em que todos conseguissem circular de forma confortável e absorver o conteúdo sem nenhum tipo de barreira física ou comunicacional. 

No entanto, fazer com que isso seja possível não é tão simples. É necessário que os organizadores do evento entendam as necessidades das pessoas com deficiência e, a partir disso, se atentem aos detalhes que podem frustrar suas experiências. 

Começando a pensar no evento

Organizar um evento com mentalidade inclusiva é aplicar as recomendações de acessibilidade desde o início de sua concepção. A empatia, que tanto se discute em design, também demanda esse tipo de preocupação. É importante torná-la prática e funcional na vida real, não apenas em artigos do Medium. Sair de um paradigma de exclusão é sobre trazer essas pessoas que já têm um histórico de serem esquecidas pela sociedade para perto. Tê-las nos espaços de discussão e oferecer lugar de fala. 

A falta da presença de pessoas com deficiência em eventos se deve, principalmente, ao fato de que elas não se sentem contempladas ou confortáveis nesses ambientes, que continuam reforçando a ideia de não serem lugares feitos para nós. 

O próprio processo de inclusão cultural de pessoas com deficiência é muito mais lento se comparado ao de pessoas sem deficiência. Isso se deve, além da exclusão fomentada pelos espaços de convívio, a diversos fatores como: maior custo de vida e o baixo número dessas pessoas no ensino superior ou nas áreas de design, por não terem sido beneficiadas pela lei de cotas no ensino superior de 2012 e só terem sido incluídas neste programa em 2016. 

Ainda sobre empatia, é quase impossível se sensibilizar com causas de pessoas com as quais você não convive. Olhar através da perspectiva de uma pessoa com deficiência nunca será possível porque só a vivência pode traduzir certas sensações e situações para o mundo empírico. Sendo assim, os eventos de Design precisam agregar essas pessoas em sua organização, abraçar mais a diversidade, para entender suas necessidade dando espaço, oportunidade e lugar de fala a elas. 

Apesar de já existirem materiais sobre acessibilidade, organizar eventos inclusivos não é uma tarefa fácil se formos pensar em todos os outros problemas e preocupações envolvidos. Entretanto o fato é que só quando conseguirmos idealizá-los dessa forma é que será possível transmitir os ensinamentos de design a todos igualitariamente. 

E como trazer pessoas com deficiência com mais frequência para esses espaços?
É importante que o evento seja claro e mostre que pode ser acessível. Isso pode ser feito com um  contato fácil ou através de um formulário com aquelas perguntinhas básicas como: "Você tem deficiência? Se sim, qual?" e "Você tem alguma necessidade? Por exemplo: intérprete de Libras." 

Se a sua intenção é aumentar a diversidade e focar em inclusão, existe um evento que criou o programa +Diversidade, que discute várias formas de inclusão, uma delas é voltada para acessibilidade. Esse programa pode ser um ótimo incentivo para mudar a estatística de eventos não acessíveis e reduzir esse número. Além disso, talvez seja interessante abordar os temas inclusão e acessibilidade na abertura dos eventos, assim podemos disseminar o conhecimento e despertar o interesse das pessoas presentes.

Organização do evento

O site, a divulgação, as apresentações, a localização, o serviço são algumas coisas que estão inclusas na organização. O site que fornece os ingressos, por exemplo, precisa ser acessível para pessoas com deficiência visual. Muitos eventos são hospedados nas plataformas Meetup e Sympla, que são absolutamente inacessíveis e por onde é impossível comprar ou adquirir um ingresso se você for cego. Nesse caso, o leitor de telas é um recurso inútil e só isso já é um impeditivo muito sério. Infelizmente a maioria dos eventos não têm estrutura ou orçamento para criar um site acessível, o que impede pessoas cegas de terem autonomia durante a compra e, consequentemente, reduz sua participação. 

E durante os eventos, o que pode ser feito? 

  •  A programação impressa no crachá poderia ter uma versão em Braille para que cegos possam escolher as palestras que querem assistir. Se o orçamento não permitir, uma programação digital e acessível já funciona. 
  • Ou então, se  a organização for baseada em voluntariado, basta ter um voluntário por uma pessoa cega: isso somente se ela solicitar a necessidade de ter um guia vidente (pessoa que enxerga) para acompanhá-la. 
  • Sim, os eventos devem ter intérpretes de Libras (Língua Brasileira de Sinais) para que pessoas com deficiência auditiva possam usufruir o conteúdo e informações.
  • Nos pontos de informação, é legal que pessoas com deficiências possam tirar dúvidas, solicitar atendimentos específicos ou até pedir apoio.
  • Oferecer serviços de audiodescrição para proporcionar uma experiência mais completa para pessoas com deficiência visual.
  • Tornar as palestras acessíveis, informando aos palestrantes que isso é imprescindível, fornecendo guias que os ajudem a formular esse material com base nos princípios de acessibilidade ou contando com a ajuda de embaixadores com deficiência que possam apontar falhas de acessibilidade dentro das palestras. 

Como já foi falado anteriormente, é muito importante ter a participação de pessoas com deficiência na organização do evento por serem capazes de dizer quais são as necessidades enfrentadas por outros que têm a mesma deficiência que elas, promovendo mudanças reais, além de fazer com que outros também se sintam representados de alguma forma dentro daqueles espaços. Ter essas pessoas envolvidas na organização também faz com que o evento seja mais divulgado para grupos de pessoas com deficiência, ampliando a chance de tê-los presente. 

A ideia de ter embaixadores com deficiência também mostra que o evento pode ser inclusivo, além de destacar que eles são, sim, capazes de ocupar cargos importantes e desempenhar esses papéis. Dessa forma, as pessoas podem mudar sua visão e aceitar que pessoas com deficiência podem organizar e palestrar nesses eventos.

Se achar difícil encontrar pessoas que queiram participar da organização, procure as associações para pessoas com deficiências, elas costumam ter boas indicações.

Sabemos que é complexo, mas talvez uma lista de checagem para um evento acessível possa ajudar:

  1. Formulário com a perguntas sobre acessibilidade para identificar as necessidades das pessoas que vão participar.
  2. Ir atrás dos recursos de acessibilidade e de pessoas que queiram participar da organização/ palestras do evento. 
  3. Conversar com essas pessoas interessadas e indicar outras pessoas também
  4. Procurar embaixadores voluntários para ajudar na missão 
  5. Material gráfico em Braille
  6. Contratar intérpretes de Libras
  7. Fornecer um guia com instruções para palestrantes
  8. Criar pontos de informação sobre acessibilidade
  9. Compartilhar o guia de acessibilidade com todo mundo

No dia do evento

Chegado o dia, lembre-se de coisas mais simples que também podem fazer a diferença e cobrir possíveis furos (nem sempre tudo sai como planejado e está tudo bem):

  • Quando uma pessoa com deficiência aparecer, ofereça ajuda. Se ela disser que não precisa, respeite sua escolha. Mesmo que tenha alguma deficiência, ela também tem autonomia. 
  • Se a pessoa aceitar a ajuda, pergunte como ela prefere ser atendida. Lembre-se, se ela estiver acompanhada, é importante dar informações para elas e não para seu acompanhante.

A acessibilidade ainda tem um longo caminho pela frente, mas fazendo a nossa parte com nossos produtos, eventos, entre outros, já contribuímos para que novas portas sejam abertas.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
Ana Cuentro
Product Designer
,
QuintoAndar

Sou graduada em Design pela UNIBRATEC, tenho Licenciatura em Expressão Gráfica pela UFPE e estou concluindo a pós graduação em Libras pela UNIVERSO. Meu primeiro contato com acessibilidade foi o aplicativo ProDeaf, como estagiária de design. A partir daí, o meu entusiasmo por acessibilidade digital e comunicacional só aumentou. Além disso, tenho deficiência auditiva o que me faz entender ainda mais o quanto a inclusão é importante. Atualmente trabalho como Product Designer e embaixadora de acessibilidade no QuintoAndar.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
David Arty

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify