A importância de UI Design em um produto digital e a sua relação com UX

David Arty
Designer
,
Chief of Design
UPDATE:

A pandemia mudou tudo em 2020.
Por isso este artigo foi revisitado por quem escreveu em entrevista para o UXNOW com apoio da Deeploy.me

Imperdível!

Ouça este artigo

Artigo narrado por quem escreveu!

Interação, essa é uma das palavras do momento. Graças a revolução tecnológica que estamos passando, essa palavra vem aparecendo cada vez mais dentro do contexto do design e uma área ligada diretamente a interação é o UI Design.

Se pararmos para pensar é muito doido como serviços que, apesar de terem poucos anos de vida, parecem que existem a décadas, e mais, não sabemos mais como é viver sem eles. Só para você ter uma ideia, e eu não sei qual é sua a idade, mas antigamente precisávamos de um guia de rua, que era um livro com  o mapa dos destinos, ele era grande e pesado, que usávamos para encontramos as ruas e avenidas para onde estávamos indo. 

Hoje graças ao Waze ou Google Maps, ninguém lembra do coitado do Guia, inclusive as novas gerações nem sabe do que se trata.  E poderíamos estender esse uso em nosso dia a dia para vários outros serviços como o Whatsapp, Uber, Ifood, Nubank, entre outros.

Esses produtos digitais mudaram o nosso cotidiano e também contribuíram muito com a acessibilidade e inclusão. Imagine como era para um surdo, por exemplo, pedir uma pizza por telefone? Simplesmente não era. Ele dependia de outras pessoas para isso, hoje com qualquer aplicativo de pedido de comida, ele consegue fazer isso com total independência. 

Todos esses serviços tem em comum um coisa: eles precisam de uma interface gráfica do usuário (GUI - Graphical User Interface) para serem utilizados. Óbvio que existem interações através de interfaces de áudios e de eventuais outras maneiras, mas o ser o humano é extremamente visual e no atual momento não dá para descartar o uso de interfaces gráficas.

As interfaces gráficas existem a muito tempo. A  popularização das interfaces gráficas, começou entre os anos de 1970 de 1980, com o surgimento de computadores pessoais, e consequentemente, interfaces digitais para essas máquinas como o Xeroc Parc e posteriormente os famigerados  Apple Macintosh e Microsoft Windows.

O ambiente gráfico foi criado para podermos interagir, da forma mais amigável possível e sem a necessidade de conhecimentos técnico, com computadores e sistemas.

Encontramos GUI em vários cenários como: websites, sistemas operacionais para computador, sistemas operacionais para smartphones, videogames, realidade aumentada, smartwatch, entre outros. 

A interação dentro de uma interface normalmente é feita através de elementos que forneçam ações entre o dispositivo e o usuário, como por exemplo, botões, links, menus e qualquer outro elemento que permita uma interação entre o dispositivo e o usuário. Para isso o usuário utiliza o mouse do computador, o dedo da mão para interface touchscreen e até mesmo gestos e movimentos para outros tipos de interação, como realidade virtual, por exemplo.

UI e UX são intrínsecos. É difícil entender?

O pai do UX, Donald Norman, não utiliza, ou pelo menos eu nunca vi, o termo UX Designer. E acredito que ele faz isso porque UX não pode ser resumido a uma função. Na verdade todo bom Designer, mesmo que seja gráfico, web, motion, não importa, ele é também um profissional de UX.

É impossível pensar que um bom Designer Gráfico não pense na experiência do leitor ao ler um pôster colado na parede, por exemplo. Como e onde a  pessoa vai ler essa mensagem do pôster? Será o corpo do tipo está pequeno ou grande demais? Como que ela vai interpretar? De qual maneira?  

Todo bom Designer pensa em experiência do usuário. E com o profissional UI Designer não é diferente, muito pelo contrário. Por estar mais ligado diretamente ao estudo, métricas, conceitos de UX. O UI Designer precisa ter um bom background de UX e normalmente ele o tem.

Não dá para desvincular uma área da outra. O estudo, prática e pesquisa ligam as duas áreas de forma que talvez seja impossível pensar em um sem o outro.

Preconceito e desvalorização com o UI designer? Por quê?!

Você já sabe, ou no mínimo percebeu durante a leitura deste artigo, que a interface é o meio de campo entre o usuário e o sistema ou produto a ser utilizado. Portanto a interface tem impacto direto na usabilidade e experiência do usuário (UX).

Mesmo sendo tão evidente essa questão, sinto que alguns especialistas em UX e outros profissionais dentro de um projeto digital, por vezes tendem a ver o trabalho de um UI Designer como “superficial”, como apenas um “pintor de tela”. Chega até parecer uma postura um tanto elitista, logo em uma área que zela tanto pelo acesso e diversidade. 

Por isso, muitos UI Designers tem a necessidade de colocar “UX/UI” em seus linkedins, para não se sentirem desvalorizados e também por isso que muitos veem no UX uma forma de crescer profissionalmente, por isso fazendo um tremendo esforço para migrar integralmente para UX.

Muito desse movimento ocorre, pois o UI normalmente é a porta de entrada para vários profissionais oriundos do design gráfico, que trabalham em agências de publicidade e coisas do tipo. Esses profissionais quando migram para o Digital, normalmente caem logo na parte que talvez mais se aproxime do métier. E isso é super natural.

Se olharmos a evolução do Design, e adentrarmos principalmente na questão visual, veremos que muita coisa que se usa hoje em dia em interfaces gráficas, são provenientes adaptadas ou derivadas do próprio Design gráfico.

Fundamentos como tipografia, cores, gestalt, grids, entre outros, são usados a muito tempo. Muito antes da era digital e da transformação tecnológica. Todavia, esses elementos, conceitos e fundamentos perduram como base para qualquer criação visual. Eles são imutáveis na essência, mas, claro, adaptáveis e transformados de acordo com o suporte e a tecnologia que utilizamos para aplicar o Design.

E um ponto importante é o próprio UX, como já foi dito aqui neste artigo.. Não tem como separar UI de UX. Um profissional de UI necessita ter um bom background de UX, pois senão ele não conseguirá fazer a sua parte com excelência. Não existe bom UI Designer que não conhece UX.

Por isso que esse caminho é natural. Inclusive boa parte de quem trabalha com UX, hoje em dia, também percorreu esse caminho.

O fato é que desvalorizar tal segmento é burrice e uma tentativa de superlativar algo em detrimento de outro. O visual da interface gráfica, e tudo o que o cerca, são importantes dentro do contexto de uso. Eles interferem diretamente na usabilidade, eles influenciam na experiência do usuário, eles podem determinar o fracasso ou sucesso inicial de  um projeto.

Juntos somos mais fortes!

Os UI Designers são responsáveis pela concepção e a elaboração visual de projetos. São eles que realmente tornarão “tangível” e possível, claro que junto com outras áreas de tecnologia, que as composições pensadas e elaboradas sejam efetivamente utilizadas pelos usuários. 

A harmonia entre as áreas, o trabalho em conjunto, é o que faz com o que os projetos funcionem adequadamente. E esse é o desafio que precisamos enfrentar: trabalhar juntos.

É preciso entender que todos estão no mesmo barco: todos são Designers. Quanto mais um puder ajudar  e colaborar com o outro, melhor será para todos.

A ideia desse artigo não é causar ou instigar mais atrito e sim fazer uma reflexão sobre alguns pontos que parecem enraizados em nosso meio.

É preciso que o UI Designer possa crescer em sua própria área, se assim ele quiser, e não que se sinta coagido a migrar, seja por questões financeiras ou social,  para algo que ele realmente não tem perfil.

E você que é UI Designer pode ajudar nisso. Valorise-se! Você não precisa necessariamente se tornar algo que não tem perfil. Trabalhe com o que gosta e saiba da importância dele para um projeto digital.

Não perca novos artigos no site e no podcast!
Não quero mais ver isso
Patrocinado:
Dados computados com sucesso!

(Essa mensagem não foi escrita por um UX Writer)
Vixi Maria! Algo errado não está certo...

Pode tentar de novo?

Se não conseguir, pode memandar um email que eu coloco seu nome da neswletter nem que seja na base do papel e caneta!

Vitor Guerra
vitor@pulegada.com.br
David Arty
Designer
,
Chief of Design

Designer e fundador dos blogs Chief of Design e Designimador. Trabalha na área criativa desde 2009, principalmente com design para web. Atuou em agências, empresas de TI e marketing digital. Também atua como docente em treinamentos de web design e design pelo Senac, Digital House e cursos online.

A história por trás do Design 2020, via Design Team

O que você precisa saber sobre métricas para ser um UXer com uma visão 20/20

Allan Cardozo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Allan Cardozo

Reflexões sobre desenho de experiências com Inteligência Artificial e voz

Melina Alves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Melina Alves

Indo além das boas práticas de User Experience Design

Rafael Miashiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rafael Miashiro

Empreendedorismo feminino em UX Design

Patricia Prado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Patricia Prado

Eurocentrismo, Identidade e Negritude

Wagner Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Wagner Silva

Acessibilidade com foco no usuário

Elias Fernandes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Elias Fernandes

O iminente estouro da bolha de UX

Thomaz Rezende Gonçalves
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thomaz Rezende Gonçalves

Design como um todo

Roberta Nascimento de Carvalho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Roberta Nascimento de Carvalho

Os assistentes de voz e os desafios de desenhar interfaces conversacionais em 2020

Karina Moura
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karina Moura

UX das Coisas: IoT, design e tecnologia na era dos dados

Thiago Barcelos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Barcelos

Escolhi ser designer no Brasil, e agora?

Bernardo Carvalho Wertheim
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bernardo Carvalho Wertheim

O poder da visão holística e do posicionamento estratégico do UX

Priscilla Albuquerque
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscilla Albuquerque

Desenhando o futuro

Natalí Garcia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Natalí Garcia

Design como ferramenta de exclusão social

Diego Rezende
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Diego Rezende

Seu produto é honesto com o usuário?

Flávio Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Flávio Pires

Como foi seu dia de trabalho?

Paola Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Paola Sales

Por que você precisa fazer a lição de casa

Mao Barros
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Mao Barros

Desenhar telas não vai salvar o mundo

Bruna Amancio
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruna Amancio

UX Como SAC

Richard Jesus
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Richard Jesus

Vamos criar novos líderes?

Claudia Mardegan
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Claudia Mardegan

Como fugir da mediocridade

JP Teixeira
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
JP Teixeira

O criatividade das cavernas

Thalita Lefer
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thalita Lefer

A natureza contraditória de um Product Owner

Hélio Basso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Hélio Basso

Uma visão holística de Acessibilidade, UX e Dados como soluções que atendam a todos

Liliane Claudia
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Liliane Claudia

O que é o design centrado no usuário se não são as pessoas?

Priscila Siqueira de Alcântara
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Priscila Siqueira de Alcântara

Vieses racistas: como combatê-los no design

Karen Santos
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Karen Santos

How might we…. Como [nós, designers] podemos construir um 2020 para nos orgulhar?

Letícia Pires
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Letícia Pires

Machine Learning e UX: insights e aprendizados (até agora…)

Carla De Bona
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Carla De Bona

O bom design começa dentro de casa

Rodrigo Peixoto
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Peixoto

A visão cliente é o ponto de intersecção dos meus “dois mundos”

Denise Rocha
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Denise Rocha

Você não sabe nada

Bruno Rodrigues
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Bruno Rodrigues

O choque das gerações para a liderança de design

Rodrigo Lemes
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Rodrigo Lemes

Dia da Marmota

Daniel Furtado
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Daniel Furtado

Aprenda a atender expectativas e nunca mais (ou quase) lide novamente com frustrações!

Marcelo Sales
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcelo Sales

Os próximos desafios do design

Anderson Gomes da Silva
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Anderson Gomes da Silva

O Design System nasceu! E agora? Como manter ele funcionando?

Thaise Cardoso
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thaise Cardoso

O Design está morto. Longa vida ao Design!

Al Lucca
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Al Lucca

Projetar para durar. Uma análise crítica da nossa profissão e dos produtos que projetamos

Filipe Landu Nzongo
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Filipe Landu Nzongo

Design estratégico - como a percepção sistêmica torna meu trabalho mais eficiente

Vilma Vilarinho
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Vilma Vilarinho

Formação e organização de times de Design

Victor Zanini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Victor Zanini

Acessibilidade como ponte de empatia para o diverso

Livia Cristina Gabos Martins
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Livia Cristina Gabos Martins

Mais atividades, mais designers (e mais dificuldades)

Guilherme Gonzalez
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilherme Gonzalez

Ética e Privacidade: UX Research em Cidades Inteligentes

Raquel Cordeiro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Raquel Cordeiro

É hora de falar de ética na construção produtos digitais

Ana Coli
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Coli

Caminhos; experiências e narrativas

Clécio Bachini
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Clécio Bachini

Chegou a hora da nossa gente bronzeada mostrar seu valor

Guilhermo Reis
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Guilhermo Reis

O papel do designer está um pouco amassado. Como ele estará no futuro?

Caio Calderari
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Caio Calderari

Design de produtos digitais em agências

Marcela Hippe
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Marcela Hippe

A (in)visibilidade da acessibilidade e inclusão nos eventos de Design

Ana Cuentro
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Ana Cuentro

Os desafios da pesquisa compartilhada

Desirée Sant'Anna Maestri
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Desirée Sant'Anna Maestri

Desenhando para gigantes

Fares Hid Saba Junior
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Fares Hid Saba Junior

Designers em (form)ação

Thiago Esser
Revisado após a pandemia
disponível em áudio
Thiago Esser
Design 2020 também está disponível como podcast.

Updates
periódicos!
Ouça no Spotify